publicidade

Pesquisar no Site


Dica do professor Dilson Catarino

Natália Catarino apresentando o projeto Swarm The World

Veja mais
A língua no dia a dia
Voltar

Amo-a.

11/07/2014

Amar é verbo transitivo direto, ou seja, que não admite preposição alguma (Quem ama, ama alguém). Os pronomes de terceira pessoa que representam um complemento sem preposição são o, a, os, as. Então, a frase apresentada está adequada ao padrão culto da língua: Amo-a. Seria inadequado dizer “Amo-lhe” ou “Amo ela”. A única maneira adequada é Amo-a.

 

Muitos são os verbos que podem suscitar dúvidas. Por exemplo, o verbo obedecer exige a preposição a, pois quem obedece, obedece a algo ou a alguém. Os verbos que exigem preposição são denominados de verbos transitivos indiretos, e os pronomes de terceira pessoa que representam um complemento com a preposição a são lhe, lhes. Então, deve-se dizer o seguinte:

 

- Às leis de trânsito, obedeço-lhes sempre.

- Aos meus superiores, obedeço-lhes sempre.

 

Já os verbos pagar, perdoar e agradecer pedem a preposição a somente quando o complemento for uma pessoa, pois “quem paga, paga algo a alguém, quem perdoa, perdoa algo a alguém e quem agradece, agradece algo a alguém”. Portanto, ao se referir a pessoa que complemente um desses verbos, deve-se usar os pronomes lhe, lhes:

 

- Aos meus filhos, pago-lhes tudo sem reclamar.

- Aos meus amigos, perdoo-lhes os deslizes.

- A Pedro, agradeci-lhe o convite ontem.

 

Se, porém, a referência não for a pessoa, deve-se usar o, a, os, as:

 

- As dívidas, paguei-as ontem ao banco.

- Os deslizes, perdoei-os aos amigos.

- O convite, já o agradeci a Pedro.

 

Um uso bastante incomum no Brasil, mas adequado ao padrão culto da Língua, é a contração dos pronomes que substituem complemento com a preposição a, que são me, te, lhe, nos, vos, lhes, com os pronomes que substituem complemento sem preposição alguma, que são o, a, os, as. A junção daqueles com o, por exemplo, resultará em mo, to, lho, no-lo, vo-lo, lho; com os outros pronomes, basta substituir o por a, os ou as. Por exemplo:

 

- Deu ao filho vários presentes.

- Deu-lhe vários presentes.

- Deu-os ao filho.

- Deu-lhos.

 

- Apresentou a mim as garotas.

- Apresentou-me as garotas.

- Apresentou-as a mim.

- Apresentou-mas.

 

- Ofereci ajuda aos jovens.

- Ofereci-lhes ajuda.

- Ofereci-a aos jovens.

- Ofereci-lha.

 

- Não receitaram a nós os remédios adequados.

- Não nos receitaram os remédios adequados.

- Não os receitaram a nós.

- Não no-los receitaram.

 

Há verbos que têm mais de um significado e regência. O verbo assistir, por exemplo, deve ser usado sem preposição alguma quando significar acompanhar parturiente, enfermo ou moribundo para prestar-lhe socorro:

 

- A enfermeira assiste os doentes.

- A enfermeira assiste-os.

 

Deve, porém, ser usado com a preposição a em três significados:

1- Acompanhar parturiente, enfermo ou moribundo para prestar-lhe socorro:

 

- A enfermeira assiste aos doentes.

- A enfermeira assiste-lhes.

 

2– Ser da competência ou atribuição de alguém; caber, competir:

 

- Assiste ao consumidor o direito de reclamar.

- Assiste-lhe o direito de reclamar.

 

3- Ver, presenciar:

 

- Fernanda assistiu ao show de Lady Gaga.

 

Nesse último sentido, convencionou-se que não se podem usar os pronomes lhe, lhes, somente a ele, a ela, a eles, a elas:

 

- Fernanda assistiu a ele.

 

Outro verbo ‘problemático’ é o verbo querer, pois sem preposição significa desejar, ter vontade de e com a preposição a, ter afeição, gostar, estimar. Neste significado, o complemento pode ser substituído por lhe, lhes; naquele, por o, a, os, as:

 

- Quero bolo. / Quero-o.

- Quero a meus alunos. / Quero-lhes.

 

© Gramática On-line • 1999 - 2017• Todos os direitos reservados ao autor. Proibida cópia total ou parcial dos conteúdos.